Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mood du Jour

Mood du Jour

Tão verdade...

Li este texto num blog que sigo e não posso não transcrever todo... repensar um pouco as prioridades, no Natal e no ano todo!

 

Era uma vez um menino, que como tantos outros meninos, foi convidado na escola a “escrever” uma carta ao pai natal, uma vez que se aproximava uma data tão esperada e especial para os meninos da sua idade (e não só). 

Mas aquele menino, pensou, pensou, pensou e decidiu que não queria “escrever” uma carta ao pai natal… afinal de contas não era o pai natal que lhe poderia trazer o que mais o fazia feliz neste natal… Perante esta decisão, a professora perguntou ao menino, que trabalho ele gostaria então de fazer em vez de escrever a carta ao pai natal: - “quero escrever uma carta ao pai e à mãe”, respondeu. 

Muito bem, vamos então escrever uma carta ao pai e à mãe, o que lhes queres tu dizer? – perguntou a professora ao menino. 

O menino muito decidido, começou então a dizer: “Olá papá e mamã, como acham que me portei este ano? Eu acho que sem ser algumas vezes em que não quis tomar banho e que escondi os brinquedos do mano, me portei muito bem… Estive a pensar e acho que o meu quarto já está cheio de brinquedos, já tenho os meus preferidos. A professora diz muitas vezes que os pais deviam dar mais atenção aos filhos e passar mais tempo com eles… Sabem, eu acho que ela tem razão. Neste natal, gostava de vos pedir que brinquem mais comigo, com tempo e paciência, que me levem a passear ao parque e estejam lá mesmo comigo, por vezes não vos sinto lá. Sinto falta do vosso colo, das cócegas que provocam gargalhadas, que olhem mais para mim e para o mano do que para o telemóvel. Preciso que tenham mais paciência, sabem que quando gritam, eu fico nervoso?! E isso deixa-me mesmo assustado… Também gostava que acreditassem mais vezes em mim! Gostava que saltassem comigo na cama aos sábados de manhã e me ensinassem a fazer bolachinhas de chocolate. O meu coração enche-se quando me dizem que gostam de mim e que se sentem orgulhosos de mim cada vez que marco um golo no futebol. Também vos quero pedir que sejam mais amigos e discutam menos um com o outro. Não gosto de ir para a cama e ver que estão zangados um com o outro. Ser crescido não parece ser assim tão divertido. Por agora é tudo, se não conseguirem nenhuma destas coisas, ou menos escolham um jogo para podermos jogar todos. Não quero brinquedos para me ocuparem. Acham que exagerei nos pedidos? Se o pai natal visse isto, talvez dissesse que sim… mas não custa tentar! Amo-vos muito. “ 
Este menino ainda não sabia escrever todas aquelas palavras, foi a professora que transcreveu as suas e ao perceber o quanto aquela carta poderia ser importante, decidiu chamar cada menino para que também pudesse escrever a sua carta ao pai e à mãe, no Natal. 

Esta história, pode repetir-se em cada uma das nossas casas, experimentando fazer este exercício com os seus filhos que já se conseguem exprimir, paralelamente à carta ao pai natal. Talvez fique surpreendido com os pedidos que eles irão fazer. Acredito que a maioria estarão ao seu alcance. 

As crianças são simples, na sua essência, precisam de pouco para serem felizesA comunicação social e a publicidade, impõe às crianças, necessidades que eles não têm. E nós, adultos, permitimos que o consumismo domine o nosso dia a dia, contribuindo para que as crianças sintam que o muito é sinónimo de melhor. Esquecemo-nos muitas vezes que o menos pode ser mais. 

Então, neste natal, reconecte-se consigo e com a sua família, decida em consciência relativamente aos presentes que irá oferecer (lembre-se que o essencial custa pouco) e oiça a voz das crianças, elas levam-nos sempre para a simplicidade das coisas. 

 

Captura de ecrã 2018-12-13, às 12.08.30.png