Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mood du Jour

Mood du Jour

E foi assim que aconteceu filhote

Era Domingo e estava um fim de tarde bonito... As tias T. e P. tinham vindo cá lanchar. Eu sentia-me estranha, um pouco cansada, mas bem. O teu Pai sugeriu irmos à Feira do Livro, em Lisboa - a médica tinha dito que era bom andar a pé, que nos fazia bem aos dois, a ti e a mim.

Mas quando elas sairam eu realmente não estava famosa, pelo que o passeio foi mesmo aqui à volta do quarteirão...

Viemos para casa, jantámos (já nem sei bem o que... em termos de alimentação a coisa já tinha descambado mesmo, já iamos nos 20 quilos tu e eu, portanto já estava por tudo!). E depois fomo-nos deitar, eram umas dez e tal...

 

E aquele desconforto que não me largava... e umas caibrãs que iam e vinham... contrações! 

E começamos a fazer contas. Um, dois três... de tanto em tanto tempo... cada vez menos espaçadas... Passado uma hora, 511! Contrações a cada 5 minutos, com mais de 1 minuto de duração, há mais de uma hora...

Vamos lá! As três malinhas estavam feitas, e lá fomos nós!

 

O Hospital da Luz à meia noite é bastante sinistro... Vazio, cheio de cantos escuros... mas eu nem pensava nisso! Afinal, tu se calhar vinhas ai!!

O médico que estava de banco lá andou a ver, CTG e tal... "sim senhora! Já tem 1cm, já não volta para casa!". Lá nos puseram num quartinho, e foi esperar. E como as dores já estavam mais fortes, veio de lá a bela da epidural (oh maravilha! hospital privado!). Não estava muito confortável, mas tu vinhas aí!

 

Mas devias estar mesmo confortável filhote, porque as 10 da manhã ainda nadinha de nada! E a dilatação que não evoluia, e as dores que aumentavam, e as contrações que também, e aquela epidural já não estava a resolver tão bem a coisa...

 

Ligámos aos avós, a dizer que estavamos ali à tua espera. E eles ligaram a mais família. Afinal, tu vinhas aí! Mas as horas passavam, e nada...

E a Dra. não queria ir para cezariana. E eu a principio também não, mas ali pelas 2 da tarde a coisa começou a ficar preta. Ao que parece, o pelo do cateter da epidural saiu do sítio, pelo que as gotinhas maravilha já não estavam a entrar...

Ou seja, aquela última horinha antes de te decidires a vir embora foi o Deus nos acuda! Eu já só berrava, já só queria que te tirassem, já não queria saber de nada. qual respiração qual quê! "Tem calma, respira" dizia o teu Pai, amoroso, sempre ali ao meu lado... MAS QUAL CALMA?!? ESTÃO-ME A PARTIR AO MEIO! JÁ NÃO QUERO É NADA DISTO! TIREMO-NO MAS É!"

E de repente, como se não fosse nada contigo, lá te quiseste vir embora. Ainda nem tinhas nascido e já deixavas bem claro que tens o teu tempo, que fazes as coisas quando achas que tens de fazer... que tens personalidade forte! 

 

As 15h40 nasceste. A custo. Com uma ventosa. Mas eu já tinha toda uma nova epidural toda catita, e já só via tudo cor de rosa! 

 

Não berraste logo. Não te puseram logo ao pé de mim. Levaram-te para trás, quem te viu primeiro foi o teu Pai, que esteve sempre ali connosco. E deu-te oxigénio, e conversou contigo. A voz dele acalma-te até hoje...

E depois, uma eternidade depois, lá te deitaram ao meu lado.

Foi uma sensação estranha... Não fui invadida por um amor avassalador logo ali. Mas gostei de ti. Vi que nos iamos dar bem. E um sentimento começou a crescer em mim.

E levaram-te embora de novo. E eu não gostei. Queria-te ver, queria decorar todas as ruguinhas da tua cara (as poucas que tinhas, nascente tão redondo e perfeito), queria-te ver, queria-te sentir, queria-te ouvir.

 

Mais uma eternidade... e lá te trouxeram. E eu pensei que nunca mais te ia deixar sair de pertinho de mim. Iamos ficar assim, os dois, juntinhos e agarrados para sempre.

Eras meu. E eras perfeito. E eu já gostava mais de ti do que achava possível... E a cada minuto crescia esse gostar tão estranho e tão novo e tão avassalador que só a ideia de não te ter pertinho me tirava o ar do peito...

 

E cresce até hoje... E de repente, passaram seis meses. E quando acho que já não cabe cá dentro gostar mais de ti meu filhote, olho para ti e gosto mais... 

 

Foram 38 semanas. E depois foram 16 horas. E agora foram seis meses.  

 

Um dia, se me perguntares como foi o teu nascimento, vou-te dizer: "Foi assim que aconteceu filhote, foram as 16 hras mais longas da minha vida, mas valeu tanto tanto a pena esperar por ti!" :)

 

maos